19/09/2018

The Real Folk Blues



Esta música traz uma história triste: há quase exatamente um ano, soube do falecimento de uma ex-colega de colégio, dos tempos de Ensino Médio. Ela era uma dessas meninas bonitas que acabam chamando a atenção de toda a gurizada. Era mais nova. Enquanto eu fazia o 1º ano, ela estava talvez na sétima série (hoje 8º Ano). Se falei com ela duas vezes na vida toda foi muito, portanto, não era minha amiga nem nada do tipo, mas me lembro dela adolescente e a reencontrei, já adulta, quando trabalhava nos projetos do SESC. Vi que tinha se tornado enfermeira e uma competente chefe de alguma coisa na área de saúde, no poder público municipal. Continuamos distantes, como se nunca tivéssemos nos visto. Constantemente me esbarro com alguém cuja última vez em que vi, ainda éramos adolescentes ou mesmo crianças.

Mas sua morte, aos 32 anos, mexeu bastante comigo: eu custei a acreditar que aquela pessoa que eu conhecia há tanto tempo havia partido tão cedo. Na verdade, nem sei se eu consegui assimilar isso ainda. Como pode? Às vezes parece que, mesmo sabendo do fim inevitável, guardamos alguma distância disso, como se vivêssemos num filme ou coisa parecida. Tudo é finito, mas quando finalmente chega esse fim, parece que não o estávamos esperando. Por sinal, apesar dos meus 35 anos, já tive a experiência de ter amigos e conhecidos mortos prematuramente algumas vezes. Já se foram colegas de escola, de Tiro-de-Guerra, de universidade, de banda... Todos da minha idade ou mais novos. Será que isso é normal com todos ou essa fase só chega na velhice?

Como falei, isso foi no ano passado, neste mesmo mês de setembro, coincidentemente. Fiquei um bom tempo com isso na cabeça. É um verdadeiro choque de realidade. Tive de desabafar de alguma forma. Foi quando ouvi, mais uma vez, a trilha de Cowboy Bebop, o fantástico anime com a melhor trilha sonora que já conheci. Suas músicas já me eram bastante familiares mas, desta vez, a bela The Real Folk Blues me tocou de um jeito diferente: senti uma profunda angústia ao escutá-la nesse momento de inquietação. Como ela é triste... E, engraçado, ela possui uma versão chamada See You Space Cowboy, que é tocada justamente num momento de morte na trama. Parece ter sido feita para aquele momento.

Voltando ao desabafo, senti vontade de aprender a tocá-la, e inseri-la em meu repertório. Mas aconteceu algo maior: eu comecei a escrever uma versão em português, de acordo com as mil coisas que eu estava pensando: "por que estamos aqui? Qual a lógica disso tudo?" Pensei em como as pessoas se apegam a conceitos abstratos para tentar lidar com esses traumas. A ideia de "a missão acabou" conforta, mas o mundo é algo tão maluco e absurdo, que eu não me espantaria se descobrisse que tudo não passa mesmo de uma série de acidentes cósmicos que resultaram na criação da vida... Afinal de contas, o que viemos fazer aqui? De que serve esse breve momento em que nós, essa farofa de poeira que, sabe-se lá como, ganhou vida, temos o privilégio de usufruir? Existe destino ou a vida é um livro aberto e vazio esperando para ser escrito por nós?

Coloquei tudo isso dentro da métrica da música. Mas, como sou muito autocrítico, decidi deixar o arquivo guardado, e depois que o sentimento passasse, ler a letra com a mente fresca e decidir se foi ou não um bom texto. Coincidentemente (como disse acima), exatamente um ano depois, vi a pasta e decidi abrir o arquivo. Caramba! Não sei se a letra ficou boa, mas que ela traduz perfeitamente o sentimento triste de quando foi escrita, isso faz! Não mudei nada. Talvez um trechinho ou outro acabe sofrendo alguma alteração, mas decidi colocar em meu repertório, talvez gravá-la aqui mesmo, em casa. Música é isso: expressão de sentimentos. Essa foi uma letra especial, escrita pensando numa pessoa que me despertou alguns sentimentos que talvez nunca mais esquecerei. Aqui vai ela, seguida das duas versões em japonês. Dá até para acompanhar a letra enquanto se escuta a música:


THE REAL FOLK BLUES
Yūho Iwasato (versão: I. Malforea)

Cedo ela se foi / e ninguém vai explicar
O que é justo, merecido ou o que / só tinha de ser
E qual sentido foi / o de terminar
Uma história bem no meio e o fim / ainda a escrever

O fim da sua missão / pra se confortar
Se não há o que ser feito aqui / deve-se sair
Não há compreensão: resta aceitar
E acreditar que a paz está / bem longe daqui

Acreditar / que há um porquê / pra quando a dor aparecer

The real folk blues
No mundo: é tão frágil e precioso estar aqui
Deixando, ao sair, sua marca
Mesmo se o vento a apagar e ninguém a vir
E que motivo ter? Onde vai parar?

Ou tudo pode ser / não tão belo assim
Um presente lhe é dado e você / usa como quer
Uma chance de ter / o simples viver
Ter o raro e improvável dom / de todo o mundo ver

“Vá até lá. Entre no trem. O tempo é curto. Escolha bem”

The real folk blues
No mundo: é tão frágil e precioso estar aqui
Seu livro está vazio / e a história
É você quem vai contar

REFRÃO 1




Qualquer dia desse, posto a minha versão, gravada. Claro que este post também tem a função de proteger minha autoria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual sua opinião a respeito deste post?